segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

As escolhas de Jon Robinson

Não é exagero dizer que as próximas semanas vão definir o futuro do Titans por alguns anos. Já nesta terça-feira, a diretoria do clube vai invadir Indianapolis para mais uma edição do Combine. Diante dos olheiros de todas as franquias, os principais prospects da liga vão mostrar as suas habilidades físicas. Quem se sair bem pode ganhar várias posições no recrutamento, o que significa alguns milhões a mais na conta bancária.


Com o que viu em Indianapolis, o GM Jon Robinson vai se preparar para o free agency 2016, que tem início em 9 de março. O que o Titans fizer vai ter impacto direto no draft. Caso a franquia contrate um RT, a seleção de Laremy Tunsil, OT de Ole Miss favorito a primeira escolha, perde sentido. Já se o time optar por investir o seu dinheiro na defesa, trazendo o safety George Iloka, do Bengals, por exemplo, uma trade down para selecionar Jalen Ramsey, de Florida State, não deve acontecer.

Por conta dos diversos buracos no elenco, imagino que o nosso GM vai ser cauteloso no free agency. Não há porquê gastar muito dinheiro em um ou dois jogadores quando você precisa de muitas peças. O draft pode e deve ajudar mais que o free agency. Veja o que eu faria se estivesse no comando do time:

Free agency:

Acho que o Titans não vai conseguir trocar a primeira escolha do draft. Por isso já dou como certa a chegada de um novo LT. Com Lewan atuando de RT, não há motivos para investir sequer um dólar nessa posição. O foco no free agency precisa ser o interior da linha. Brandon Brooks, do Texans, é um jogador que pode ajudar bastante. É ótimo no jogo corido, tem apenas 4 anos na liga e conhece bem os nossos oponentes.  

Não há muitos centers bons disponíveis, mas com Brian Schwenke saindo do estaleiro, não dá para ficarmos sem um novo atleta dessa posição. Mackenzy Bernadeau e Ted Larsen são veteranos que podem ser contratados por pouca grana. Bernadeau foi reserva de um grande center em Dallas. Apesar de ter 30 anos, o jogador tem um corpo de um profissional mais novo. Já Larsen trabalhou com o Russ Grimm em Arizona. Ele tá longe de ser um grande center, porém ele conhece a forma de jogar do novo treinador.

Além de ter a pior OL da liga, o Titans também não possui um grande grupo de WRs. Por conta do nosso último GM, hoje o time possui apenas 4 WRs no elenco, algo no mínimo bizarro na NFL de 2016. Precisamos de muita ajuda nesse setor, e não é recrutando um WR de uma turma fraca que isso vai mudar. O melhor WR disponível é Alshon Jeffery, do Bears, mas ele não deve sair de Chicago. Seria loucura deixar um atleta desse nível testar o mercado. Restam Marvin Jones (Bengals), Rishard Matthews (Dolphins), Jermaine Kearse (Seahawks), Rueben Randle (Giants) e Travis Benjamin (Browns). O Browns além de renovar com o Benjamin, deve ser o favorito a contratar o Jones. Vejo o Randle como a opção menos ruim. Ele não vai transformar esse grupo de WRs, mas com toda certeza será titular.

Por fim, eu contrataria o RB Alfred Morris, do Redskins. Ele não vem de uma grande temporada em Washington, mas tem o físico que o Mularkey gosta. Vejo a classe de 2017 como a melhor em muitos anos. Acho justo contratar um veterano e ver o que Sankey e Cobb são capazes de fazer. Se o plano não funcionar, vamos ter muitas opções na próxima temporada.

Acho improvável que o Robinson esqueça da defesa no freea gency, mas é o que eu faria. Mesmo sofrendo com desfalques, o Titans conseguiu colocar a sua defesa entre as 15 melhores da liga. O calendário em 2015 foi fácil, o que pesou bastante, mas o grupo tá longe de ser problemático. Prefiro que o Mariota tenha ajuda de jogadores mais veteranos e que calouros reforcem a defesa.


TITANUP!

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

Titans renova com o tight end Craig Stevens

Aos poucos o Titans vai ajeitando o seu elenco para a próxima temporada. Depois de cortar o veterano Michael Griffin (safety), a franquia renovou por um ano com o tigh end Craig Stevens. Escolha de terceira rodada no draft de 2008, Stevens é um dos melhores bloqueadores da liga. Quando precisa atuar como receiver, ele também não decepciona. Em 2015, o jogador recebeu 12 dos 13 passes que foram em sua direção.

O Titans sempre teve bons TE bloqueadores. Lembro de Alge Crumpler (2008-2009), peça fundamental na temporada em que o Chris Johnson correu para mais de 2 mil jardas. Já Erron Kinney (2000-2005) ajudou bastante o lendário Eddie Goerge.

Mike Mularkey foi TE na liga. Ele gosta de usar atletas dessa posição e nós estamos bem servidos. Stevens, Fasano e Walker formam o melhor trio da NFL.


O próximo passo do GM Jon Robinson será realizar um novo corte, agora do DL Ropati Pitoitua, veterano que disputou apenas 30 snaps em 2015. Não dá para pagar US$ 3 milhões para um defensor que mal entra em campo.

TITANUP!

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

Quem pode deixar o Titans em 2016

Quem não acompanha o Titans pode achar que o cenário é desalentador, mas não é bem assim. Além de contar com um elenco jovem e promissor, a franquia possui bom espaço na folha salarial, poucos contratos longos e nenhum free agent de peso. Ou seja, o time só pode melhorar em 2016. É preciso muita mágica pra não qualificar esse grupo. Abaixo vocês podem ver os jogadores que vão testar o mercado no próximo mês de março:

Sammie Lee Hill (NT) 29 anos

Bom NT que sofreu com contusões em 2015. Acho que pode voltar, mas vai ter que vencer a concorrência com o outro NT da equipe, AL Woods (28 anos), jogador que também será free agent.        

Craig Stevens (TE) 31 anos

Um dos melhores TE no bloqueio, Stevens não comprometeu quando foi acionado. Acho que forma um trio de muito peso ao lado de Delanie Walker e Antonhy Fasano. Gostaria de contar com a sua volta.

Coty Sensabaugh (CB) 27 anos

Um nickel CB decente, não mais que isso. O depth na secundária é terrível, talvez isso faça com que ele fique.

Byron Bell (RT) 27 anos

Ajudou o time quando atuou de RT e LG, mas não tem talento suficiente para proteger o nosso franchise QB. Se voltar é para ser banco.  

Zach Brown (ILB) 26 anos

Mais um pick de segunda rodada do Ruston Webster que não funcionou. Mostrou muito potencial em alguns jogos, porém em outros foi terrível, principalmente contra a corrida. Acho que funcionaria melhor em uma defesa 4-3, atuando de OLB. Depois de criticar a franquia em sua página no Twitter, é improvável que vista o nosso uniforme novamente.

Mike Martin (DT) 25 anos

Quero que retorne. DT grande, veloz e com muito coração. Se conseguir ficar saudável, pode ser um reserva interessante. Pesa contra ele o fato de termos bons jogadores na DL, mas esse é um setor que pede profundidade.     

Steven Johnson (ILB) 27 anos / Dorin Dickerson (TE) 27 anos / Antonio Andrews (RB) 23 anos / Joe Looney (G) 25 anos / Brandon Harris (CB) 26 anos


Atletas que contribuíram muito pouco. Andrews até que começou 2015 bem, mas falhou muito na reta final. Além de errar o bloqueio que tirou o Mariota da temporada, ele sofreu um fumble e dropou um passe que virou uma INT. Com Sankey, Cobb e McCluster no elenco, falhas assim não podem acontecer. Talvez ele volte, mas precisará jogar muito se quiser sobreviver ao corte final.  

TITANUP!

terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

Bye bye Griffin!

A primeira atitude, de fato, do novo GM do Titans (Jon Robinson) é uma previsível, mas, mesmo assim, me fez abrir um sorriso de: "Ahhhh Finalmente!". Michael Griffin foi dispensado!
Embora trabalhasse duro, fosse durável e tenha desenvolvido bons aspectos de liderança nos nove anos que passou na franquia, Griffin nunca superou as expectativas de um Safety escolhido na primeira rodada de 2007 (escolha de número 19). Esperava-se que ele fosse um cara que, realmente fizesse a diferença, que ele desse o tom de nossa defesa e isso nunca aconteceu!
As temporadas excelentes (2008 e 2010) foram ao lado de excelentes Safety (na verdade ao lado de Chris Hope), ele teve algumas boas temporadas jogando de Center Field (Free Safety no Fundo do campo - 2009 e 2011), mas no demais, foi de mediano a péssimo. Me incomodava demais a quantidade de vezes que era pego fora da posição, bem como a sua capacidade infinita de perder tackles cruciais.
Griffin estava prá receber 8,3 milhões de dólares no último ano de contrato, pesando em 6,5 milhões no teto salarial do Titans ... "Easy Throw, Ronbinson!"
Resumo da ópera: Griffin foi um jogador sólido com o Titans, não mais que isso.
Acredito que o substituto já está no elenco, entretanto, devemos pegar um S no quarto ou quinto round. Stafford em seu limitado tempo em campo na última temporada, prá mim foi o melhor Safety do time. Gosto da vibração de Marqueston Huff também, ele tem o tamanho certo e a velocidade prá um Center Field, mas Lebau, gosta de Safeties similares, então, acho que será Stafford. Estaremos bem servidos e com 6.5 milhões a mais para investir em OL, sem problemas!
Go Titans!

Michael Griffin fora do Titans. Quem vai substituí-lo?

O primeiro corte da temporada 2016 foi o mais esperado pela torcida. Depois de nove temporadas com o Titans, o safety Michael Griffin está fora da franquia. Escolha de primeira rodada do draft 2007, o veterano deixa o time após disputar 141 jogos, onde acumulou 25 INTs, 7 sacks e 763 tackles.

Com a camisa do Titans, Griffin chegou duas vezes ao Pro Bowl, em 2008 e 2010. Peça fundamental do último elenco a ir aos playoffs, ele mostrou muito coração em Tennessee, mas há anos ele não é um jogador confiável. Com a sua saída, o clube vai economizar US$ 6,5 milhões.

Sem Griffin, Dick LeBeu pode finalmente usar o Da'Norris Searcy próximo a linha de scrimmege. Nao vejo nenhum jogador no elenco capaz de substituir Searcy no fundo do campo, por isso, o Titans deverá contratar ou recrutar um safety.


No free agency o principal nome é o de Eric Berry, do Chiefs. Ex-jogador da Universidade do Tennessee, ele seria uma contratação excelente, mas é improvável que ele deixe KC. Eric Weddle é um veterano com muita gasolina no tanque, porém ele deve priorizar franquias mais próximas do título. Reggie Nelson e George Iloka são nomes interessantes, mas no draft acho que é possível encontrarmos jogadores de níveis parecidos por um preço melhor. O meu favorito é Tashaun Gipson, do Browns. O problema é que temos muitos buracos no elenco. Jon Robinson disse que a prioridade será a OL. Hoje, eu acredito que o nosso futuro FS deverá vir através do draft. 

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

“A construção de um time começa pelas linhas”

O GM Jon Robinson já sabe como construir um time vencedor: pelas linhas. Em entrevista ao jornalista John Glennon, do jornal de The Tennessean, o dirigente afirmou que uma equipe forte precisa dominar o miolo da linha de scrimmege. Do lado ofensivo, o seu sonho é um ataque capaz de correr com a bola.

“É importante ter playmakers no ataque, mas antes é necessário se comprometer com o jogo terrestre. Para isso é preciso alguém que saiba correr e bons bloqueadores”, afirmou.

Não é necessário entender muito de futebol americano para saber que a nossa OL é o ponto fraco do time. Começamos o ano jogando com Lewan-Bell-Schwenke-Warmack-Poutasi. Por conta de atuações ruins e várias contusões, esse contestado grupo fechou 2015 apenas com Warmack em sua posição inicial.

Enquanto esteve em Tampa, entre 2014 e 2015, ao lado do GM Jason Licht, Robinson tomou algumas decisões interessantes em relação a OL. Antes do início da penúltima temporada, eles conseguiram trazer o excelente OG Logan Mankins, do New England Patriots. Por um TE bem mediano (Tim Wright) e uma escolha da quarta rodada, a franquia ganhou um monstro no interior da OL.

No draft de 2015, ao contrário do Titans, após escolher um QB, o Tampa selecionou dois bloqueadores. Na segunda rodada eles pegaram o seu LT (Donovan Smith). Em seguida, eles subiram no draft para selecionar o OG Ali Marpet, isso ainda na segunda rodada. Gosto bastante do DGB, mas bons bloqueadores não costumam sair tarde no draft. O Titans arriscou bastante com o Poutasi. Será que eu preciso falar se deu certo ou não?


Robinson afirmou que a prioridade do time é reforçar a OL. Foi prometendo proteger o Mariota que ele conseguiu este emprego. Vamos ver como ele vai se sair. 

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Os homems que vão cuidar de Marcus Mariota


A saúde de Marcus Mariota está nas mãos de dois veteranos. Para o HC Mike Mularkey, Terry Robiskie e Russ Grimm são as pessoas mais indicadas para cuidar do futuro da franquia.

Treinador dos WRs do Falcons por oito temporadas, Robiskie volta ao cargo de coordenador ofensivo após onze temporadas. Nessa função, ele teve pouco destaque na liga, mas cuidando dos WRs ele foi um dos melhores. Os jogadores do Falcons foram unânimes na hora de lamentar a sua saída. Até o QB Matt Ryan, que nunca chegou a trabalhar diretamente com Robiskie, afirmou que o veterano tem tudo para ajudar o Titans.

O que eu achei: Não era o treinador dos meus sonhos, muito longe disso, mas acho que pode funcionar. Robiskie tem bastante experiência e esse será o emprego de sua vida. Acho que com ele teremos um ataque bem mais físico.

Uma lenda da NFL atuando como OG, Grimm foi um bom treinador de OL no Steelers, quando ajudou o time a vencer o Super Bowl XL. Em sua passagem pelo Cardinals, a OL funcionou bem com Kurt Warner recebendo os snaps, porém depois de sua aposentadoria, a proteção ao QB foi um desastre.


O que eu achei: Se eu não conhecesse o trabalho do Ken Whisenhunt, diria que essa contratação foi péssima, afinal, nosso maior problema está na OL, mas com esse louco chamando as jogadas, não há QB mediano que sobreviva. Whiz nunca fez o mínimo esforço para mudar o seu esquema, mesmo quando o duelo era Poutasi contra J.J. Watt. Com um lunático desse, não há treinador de OL que consiga ter bons números. Grimm é bom. Podem ficar tranquilos, esse cara vai ajudar bastante.

Além da proteção ao Mariota, Robiskie e Grimm precisam fazer com que esse ataque corra com a bola. O Titans não tem um RB com mais de mil jardas desde a temporada 2012, quando Chris Johnson, já longe de seu auge, era o encarregado por comandar o jogo terrestre.

Nos próximos meses o Titans vai reforçar o ataque. Acho que o time precisa ser agressivo no free agency. Vamos ter um bom CAP para contratar no mínimo dois titulares para a OL. Acho boa a escolha de um OT no first pick, mas gostaria de ver o grupo com um veterano de peso comandando o quinteto titular. O cenário perfeito seria:

LT: Taylor Lewan

LG: Kelechi Osemele (atual OG do Ravens)

C: Brian Scwenke

RG: Chance Warmack

RT: Mitchell Schwartz (atual OT do Browns)

Contratando Osemele e Schwartz, a franquia ganha liberdade com o first pick. No momento, eu acho melhor o draft ter como foco s na defesa. Um ataque experiente é melhor para o QB. Mariota ficou limitado em vários jogos na última temporada porque os jogadores ao seu lado não tinham capacidade para fazer nada além do básico. Vimos várias rotas erradas e alguns drops virando INT. Sem falar em sua última contusão, culpa do RB Antonio Andrews.


Um grupo de receivers com DGB jogando de WR1, Hunter do outro lado e Wright no slot não é tão ruim. Está longe do ideal, mas vou dar o meu voto de confiança ao Robiskie.